quinta-feira, 22 de agosto de 2013

É assim que te quero...

Assim é o amor...
Ah! assim como quero ser,
eu te quero doce,
eu te quero amável e gentil
quando estás ao meu lado...
quero sentir que o mundo
é seguro para mim
só porque me dás a mão,
e só porque estás comigo
a vida engrandece em significado.
E sentir-me em paz
porque paz te dou.
Porque tua presença me acalma,
teu abraço me aconchega,
teu carinho me refaz...
e assim, te oferecer também
a melhor parte de mim.
Quero me ver refletida
na luz do teu carinhoso olhar
como se bela ainda fosse.
Quero a esperança
a iluminar nosso sorriso
e o futuro a nos pertencer.
Para isto foi feito o amor!
Para amarmos mais e mais.
Quanto ao resto,
momentos difíceis ou dor
que a vida possa nos trazer
tudo é mais fácil enfrentar,
nada me assusta se eu sei
que estamos juntos, e que
o que nos une é este amor.

E nesta música há muito do que eu acredito que deveria ser o sentimento a unir duas pessoas que se amam... a lealdade, amizade e apoio.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Pequenas escolhas.


Estava me lembrando de 2011 e de que nem tudo podemos escolher.
Não escolhemos, por exemplo, sentir saudades, muitas vezes não escolhemos por quem nos apaixonar, não escolhemos saber que pessoas de quem a gente gosta tem de enfrentar momentos difíceis que lhe causam sofrimento e não escolhemos sofrer, evidentemente.

Ah! se tudo pudéssemos escolher de melhor...

 
 Mas das coisas que posso escolher, e que
me lembram um cantinho de meus antigos quintais,
está o Gerânio.
Sim, escolhi tê-los, de novo, em um vaso.
E agora estarão no meu terraço. Não preciso mais de um quintal, porque o edifício onde moro já está num belo jardim. Sempre me cerco de natureza. Esta é outra escolha que pude fazer quase sempre e até hoje. Poder fazer esta escolha também é uma sorte, ou benção como prefiro dizer, pela qual sou grata!
Estou pensando em voltar a ter uma jaboticabeira. Eu gostava muito das duas que tinha em vasos e me ofereciam frutas deliciosas.
Tomara que se acostumem com a nova casa e fiquem tão bonitos como aqueles que já tive. Com certeza ficarão bem, só vão precisar, como eu, como todos nós, que o tempo proporcione ambiente adequado e de cuidado amoroso, para retribuírem com sua mais bela florada e seus melhores frutos....

Sempre que puder vou escolher alguma flor, algum fruto e amor para ter no meu quintal, seja ele como e onde for.

Fotos e texto: Vera Alvarenga

sábado, 10 de agosto de 2013

Meu poema...


Minha alma, às vezes, me inunda de saudades.
Não eu! porque sei que não posso tê-la,
esta que só se tem,
quando falta nos faz
o que um dia tivemos...
Ah! minha alma me anima, me encanta,
sonha, faz rima, pensa nele e o deseja.
Não eu! que agora sei que não devo...
mas, minha alma sim, sofre de amor,
e por isto, me faz sofrer também...
Sem alma nada sou,
como então posso dividir-me assim?
Agora sei que ele é minha poesia,
o amor que nasce da alma que nada vê,
apenas vislumbra, sente e ama.
Minha alma fantasia!
e então quer me levar
a morar num livro encantado,
onde eu e meu amado
jamais sentiríamos a idade avançar...
porque escolheríamos a cegueira do amor
como a da alma quando se põe a sonhar.
Ah! a paixão, por vezes vem nos mostrar
de novo,o quanto ainda queríamos ter,
quão bela a vida ainda poderia ser...
E quando não se concretiza no verbo,
o amor, pouco a pouco, se desfaz,
como a chama que morre sem  ar...
Ah! mas a poesia não!
Temo que fique ali para sempre
ou até o dia que se queime
este antigo ( e meu) livro de poemas...
Então, tudo bem, e vem a paz
de nada mais se desejar...
Tudo bem?! que pena...
Eu te desejo paz, mas não esta
do mar que se quer contido,
desejo a paz do realizado,
do amor que não morre em vão.

Escultoras e poema: Vera Alvarenga

Compartilhe com...