Mostrando postagens com marcador SÃO PAULO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador SÃO PAULO. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Pelas janelas da minha cidade...

Quando levanto meu olhar e vejo o que em teus altos edifícios reflete, por momentos esqueço de todos os tons de cinza que te cobrem...

 É como se o azul de todos os teus olhares, e o verde que usas como adorno de valiosas esmeraldas pudessem me fazer esquecer pra sempre dos perigos que escondes em tuas sombras e dos fantasmas que caminham em tuas madrugadas...

 Às vezes, quando te olho, vejo apenas uma pintura quase abstrata, ó mãe terra generosa que a todos acolheu e que me viu nascer! Mas eu te conheço, sei que por vezes estremeces por dentro, por tudo que sabes, por tudo que testemunhas, e tuas lágrimas escondidas te envenenam lentamente ou amargam teus dias como bílis escura escorrendo por tuas entranhas....
 Quando os sonhos de teus filhos amorosos se tornarem reais, chorarei contigo lágrimas azuis, como o gelo que derrete com o calor do sol, e rezarei para encontrarmos equilíbrio, para que possamos viver ou descansar em paz...
fotos e texto: vera alvarenga

domingo, 26 de janeiro de 2014

Aceita mais um convite meu?

Horto Florestal- São Paulo - Brasil
 Vem meu querido! é sim, mais um convite meu
põe um sorriso nessa sua cara
e aquela bermuda e sapato confortáveis e...vem comigo!
Ah sim, vamos sair um pouco...
eu sei, é tão confortável  no nosso canto mas...
 Vale a pena... eu te garanto!
e prometo, vamos andando devagar
Como se não tivéssemos horário,
livres do tempo, dos compromissos
e como se não tivéssemos crianças pra cuidar...
 E afinal, é isto mesmo, os ninhos estão vazios
que fazer, se não aproveitar?

para relaxar... ver o mundo com outros olhos
olhos de quem quer apenas se encantar?
 Vem querido, pois que a alegre amizade é o que mais deve nos unir agora,
antes que a vida se perca em tantos gestos sem sentido,
e escorra patética em individual solidão e entre os dedos do tempo
como areia que leva, para o fundo do mar, nossa alegria,
vamos sentar neste banco e conversar... ou apenas nos deixar ficar...
 Sinto-me tão livre e tão eu, que até me arrepio de prazer
quando estou assim, neste meu ócio dignificado
por tantos anos de trabalho - um premio justificado!
Contudo, estar aqui sozinha, não seria o mesmo
porque tenho este impulso de compartilhar...
e de levar comigo pra onde vou, esta ânsia de amar.
Aceita meu convite então, e vem !
Andemos mais um pouco...ah! espere aí!
Já sei! queres conversar com as pessoas...pois que o faça!
enquanto vou ali um minuto...preciso fotografar!
E se você pensa que as fotos
estarão mais vívidas do que o próprio lugar...
é porque a realidade também se interpreta,
e a vida está também nos olhos de quem a vê...
 Concordo com você, meu amigo...mas é pura mágica...
quando somos capazes de amor,ainda pulsa o desejo por viver,
e tal magia se faz singela e natural como um riso de criança
que naturalmente anseia por ser feliz - é só se entregar!
como a gente gosta de se entregar ao que nos daria prazer...
como beber juntos aquela cerveja bem gelada...
mas, para o adulto, é sempre uma opção do coração
- um modo de não se entregar a cinzenta ausência de cor,
uma maneira que escolhemos de olhar
a vida, os mesmos lugares, o mesmo caminhar...
Fotos e texto:Vera Alvarenga

quarta-feira, 27 de março de 2013

Verde que te quero verde...


O que seria dos habitantes das grandes cidades se não fossem os Parques, o verde, a água que ainda se conseguiu preservar? 
O que seria dos olhares, se não pudessem na Natureza descansar?

Fotos ( Jardim Botânico - SP- Brasil) : Vera Alvarenga 

segunda-feira, 25 de março de 2013

Sem pressa...


Quando houver sombra neste banco, pego um livro e volto... sem pressa... 
(Jardim Botânico- S.P. fev/13)

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Um novo amor eterno..desde aquele inverno..

Com o inverno, as cerejeiras estão florindo.
Que lindo! Que delicado prazer vê-las assim...
E a gente não se cansa de olhar, e ao sair,
não é demais voltar para olhar outra vez.
É como estar-se satisfeito,
nada mais desejar e, no entanto,
receber a oferenda de um licor
com tão suave perfume, e o sabor?
aquele que agrada ao paladar mais refinado!
É raro prazer... que depois que se tem
espera-se, de novo, experimentar...
é tal qual o inigualável gosto de amar
mais uma vez, sem pressa e docemente,
quem acorda ao nosso lado,
quando sabemos que é com quem escolhemos ficar...

Acho que foi no inverno passado que fomos à Piedade, cidade do interior de São Paulo próximo a Sorocaba, ver as
cerejeiras.
E desde aquele inverno, tenho este novo amor..rs...
São Paulo também tem cerejeiras.

Estão lá floridas, à beira do lago.
Fui ver...matar saudades...
Por causa do vento, o chão batido de terra está cheio de flores.Vale a pena ver.
Renovei minha promessa de amor
eterno....


















Fotos e poesia: Vera Alvarenga

domingo, 25 de março de 2012

Em São Paulo...saudades ou nostalgia?

Outro dia comentei com uma amiga, que não costumava sentir saudades dos lugares que deixei, porque já mudei tantas vezes de bairro e cidades, que aprendi a me desapegar. Não tive tempo de concluir que desta vez, começo a sentir falta sim, de algumas coisas que tinha, no tempo em que morava na última cidade, Sorocaba.
Claro, em todas houve algo bom. Florianópolis,  o mar azul e lindo na praia onde caminhava nos finais de tarde, quando tinha tempo. Sensação boa andar descalça na areia, água molhando os pés, vendo aquele mundaréu de mar...na praia quase deserta.
 Esta noite sonhei que estava nadando numa piscina não muito funda, portanto, não tinha medo. Ia livre, como quando nadava em Birigui, sem tantos atrás de mim a forçar-me a um ritmo mais rápido do que aquele que me faz bem. Lembrei saudosa do clube daquela cidade. Piscina enorme e aquecida, cercada de coqueiros, onde eu decidi que aprenderia a nadar, mesmo sozinha. Observava outros e o salva-vidas e aprendi, no meu ritmo. Foi  uma saborosa vitória pessoal.
A gente pode estar numa daquelas fases em que tudo parece nos levar para baixo e então, decide aprender a nadar, soltar o corpo e se manter acima
d´água! Uma forma de vencer, em parte, o desafio.
 Nestes momentos pode acontecer de a gente conhecer alguém que aparece no meio da escuridão e brilha, pra nós, como uma estrela. Por esta pessoa amiga, a gente é capaz de sentimentos que dão sentido à vida. Porque já fomos capazes destes mesmos sentimentos, descobrimos que ainda somos. Nosso olhos e peito se enchem de amor, porque já temos este sentimento dentro de nós.
De algum modo, por mais triste e nostálgico que se torne um dia, é belo e ficará conosco como ternura a nos lembrar que o que sentimos é uma escolha  entre as sementes de nosso coração.
Não se cria a beleza do nada. Já está lá, nós a dedicamos a outro ou a reconhecemos nele, ou ainda, por sentirmos falta de ver seus frutos,  projetamos o desejo de a ver brotar de novo, fora de nós e para nós refletindo sua luz.
Sinto falta de poder pegar o carro e ir, mesmo sozinha, sem depender de outra pessoa que queira o mesmo que eu, para alcançar meu objeto de prazer. Em Sorocaba, após 20 minutos no máximo, eu chegava a um dos três lugares bucólicos, como o Zoológico, ou o clube de campo do SESI, ou o Parque do Campolim, para caminhar com segurança, relaxar e tirar fotos. Isto, aproveitei.Teria chegado aos cinemas em 10 minutos. Isto me escapou! Pois pensava que ir a certos lugares é como fazer sexo. Melhor a dois. Tem mais graça com companhia. Aqui em São Paulo é impossível demorar menos de 1 hora para chegar a qualquer destino. É preciso muita coragem para ir sozinha, e sorte para encontrar lugar para estacionar! Ter companhia já seria exigir demais!.rs..Então, não vou, ou não há onde ir.
Preciso descobrir como me encaixar aqui, voltar a meditar para recarregar baterias. Minha querida cidade natal, é uma cidade social mas solitária, rica e pobre, onde não é seguro andar sozinha num parque ou à noite, para se ir ao teatro, embora haja muitos.Cheia de contradições. É necessário que eu reaprenda o mapa, vá de carro a um estacionamento, para então aprender a andar de trem e depois de metrô, se quiser fazer um simples curso de fotografia! É uma cidade para jovens. Demora-se até 1 h. e meia para se chegar ao médico, mesmo que haja muitos.  Nunca pensei voltar e se o fiz, não foi por saudades da vida cosmopolita, mas acompanhando família/netos, estes sim, uma motivação forte. Então, ainda preciso de tempo para me acostumar com isto. Sinto saudades da liberdade de ter ao alcance o contato com uma vida mais natural - aqui, o natural é passear no Shopping ou fazer compras! Que bom estar aposentada e poder me adaptar aos horários menos piores para o trânsito. A maioria aqui, não tem esta escolha. Me acomodei ao meu sossego,embora não goste de isolamento. Por isto gostei de Sorocaba, é um bom meio termo. Talvez deva aprender agora a andar esbarrando na multidão! Antigamente, esta era uma cidade onde as pessoas não podiam perder tempo, hoje, perdem muito tempo no trânsito e aprenderam a ter paciência. Eu, preciso aprender a nadar mais depressa, se não quiser me afogar, ou passar a fazer musculação!
 Ainda bem que valorizei o que pude, do que tinha de bom, a cada tempo. Agora, é buscar adaptar-me.
Sem dúvida, pior do que sentir falta de coisas é sentir falta de alguém, que antes representava uma promessa, ponte, apoio, ou companhia e que de repente podemos nunca mais ver, ouvir, ou ter notícias.
Dizem que sentir saudades é algo mais leve do que nostalgia. Esta traz tristeza e abatimento em graus mais ou menos profundos, causados pelo afastamento de coisas ou pessoas que a gente ama e pelo desejo de as tornar a ter/ver.
Se é saudades ou nostalgia e se isto depende da profundidade do sentimento,não importa, só sei que às vezes, esta falta, eu a sinto lá nos ossos... profundamente, portanto. De uma pessoa, não de coisas.Coisas a gente substitui. Pessoas, acolhe e guarda na alma. E sente nostalgia, que vem como ondas do mar. Diferente, para cada um. Diferente em cada praia. Não era hábito meu sentir nostalgia de pessoas, do passado. Este sentimento me ligava a um amor idealizado, completo e belo, talvez divino e do qual, temos sorte em ter amostras. E as tenho.
"Se sinto falta, é porque já fui feliz com algo ou alguém que me fazia bem, e hoje não tenho ao alcance das mãos."
"Se tenho profundas saudades de você ou de como me sentia em sua presença, é porque já conheço este intenso sentimento."
Hoje, acordei saudosa de coisas simples e boas, e depois me aprofundei na nostalgia de um sentimento bom...de qualquer forma, olho ao redor e espero encontrar aqui, novamente um lugar onde possa de vez em quando me sentir "em casa", e enquanto isto não ocorre, pego um chocolate e um livro, e vou saborear cada um, do jeito que mais gosto.... feliz por poder fazê-lo.
Fotos e texto: Vera Alvarenga
E uma música linda com Vanessa da Mata... "Amado".

domingo, 15 de janeiro de 2012

Surpresa!

A vida é mesmo cheia de surpresas!
Agora que moro em apartamento e em São Paulo, vejam só o que vi, em frente onde moro, quando ia a pé até a padaria.
Uma família graciosa... Eram cinco.
video


terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Meus convidados no Ano Novo...

Como sabem, mudei-me de cidade antes do Natal.
E hoje venho aqui para desejar aos amigos um maravilhoso ano de 2012, com Saúde, disposição, sucesso, coragem e determinação, além é claro do amor, indispensável para os momentos de felicidade e da fé em Deus, indispensável para pensarmos que há um significado para tudo, mesmo que não possamos compreender.
Agora moro novamente em São Paulo, onde nasci.
Estava com medo de voltar a morar aqui afinal, o trânsito, barulho e energia desta cidade agitada não combinam mais com o ritmo de vida que quero pra mim agora.
 Sempre que posso, assim que me vejo dentro de um "barco", procuro colocar os dois pés dentro e o melhor lugar para sentar-me, a fim de tirar proveito da viagem.
Foi assim que agarrei as chances e me coloquei num lugar agradável para morar,onde as árvores me trazem a visita dos meus amigos pássaros que, alados como eu, procuram voar em busca de seus momentos de felicidade.
E foi com alegria que eu recebi meus primeiros visitantes : O Sanhaço, a Cambacica, O Bem-te-vi e o Sabiá Laranjeira.

Com sorte, um dia ainda receberei também a visita do meu pássaro dourado, que trará em suas asas, de novo, pólen de dourado brilho junto com os raios de sol, que iluminarão ainda mais as minhas manhãs.

De qualquer modo, embora esteja novamente nesta cidade de concreto, as árvores estão mais próximas a mim, neste bairro que as preservou e eu me sinto feliz e grata por isto.

FELIZ 2012 PARA TODOS NÓS!!
Texto e fotos: Vera Alvarenga.

Compartilhe com...